METAFÍSICA | Para quê raios, sentimos DOR???

Eu acredito que tudo tem um propósito no Universo, você não? Mas, não creio que sofrer seja a razão pela qual sentimos dores. Acredito que o sofrimento é o reflexo da nossa resistência em assumir o que há por trás da dor.



Vou começar pelo fim:


A dor é um sinal de SOS do seu inconsciente dizendo que algumas escolhas na sua vida, não estão alinhadas com sua essência. Já a doença é o último recurso que seu inconsciente tem, para te chamar na xinxa: "e aí cara, você vai parar para se perceber e alinhar, ou, vou ter que dar voadora?".


Sim, é sob efeito de nocaute que muita gente acorda. Ou não.

O corpo físico é o mediador entre tudo que acontece

nos bastidores do nosso inconsciente e a realidade.


Eu sei que você aprendeu e vive sobre a perspectiva que o corpo físico é O Cara, mas, que tal expandirmos um pouco mais essa ideia? Você aprendeu também, que seu corpo é autônomo, ou melhor, seu funcionamento independe da sua vontade. Daí seu estômago enguiça, seu intestino emperra e para que eles tenham um funcionamento redondo você precisa melhorar o combustível, trocar a peça que está ruim ou fazer um remendo na situação.

E tem mais, acredita-se que estamos completamente susceptíveis ao meio. Estava você passeando lindo e faceiro na rua, uma bactéria errante que não tinha o que fazer, resolveu te atacar e pá! Tá você doente.


Girando a chave a percepção.


Você tem um corpo para algo além de comer, beber, fazer sexo ou te proporcionar um rostinho bonito para as fotos do Instagram. E é claro que a qualidade e quantidade na qual você faz essas coisas, também influenciam o equilíbrio do corpo. Mas, não só.

Ele é uma ferramenta de evolução humana.

Por isso é individual, pessoal e intransferível.

Somos muito mais que um corpo físico.

A sua dor, nunca será igual a minha. O que temos em comum é que dói, mas o porque dói, é pessoal.


Para você ter uma idéia, pelos sintomas que meu cliente apresenta, eu posso "ler" o conflito que ele vive no âmbito mental e emocional.

Obviamente, a dor de estômago da pessoa A, não foi criada da mesma forma que a pessoa B, porém, a área da vida delas referente a capacidade de digerir e se posicionar, está em conflito mental e emocional e por isso, elas sentem dor, pois estão transgredindo a si mesmas.

Mas e aí? Será que você tem que ficar sentindo a dor para conseguir curá-la? Eu não gosto de sentir e acredito que você também não. Mas, o hábito de se entupir de remédio a cada mínimo sintoma, nos deixa capengas na vida.


A dor - como um primeiro estágio do desequilíbrio -, nos fala sobre atitudes e/ou comportamentos que precisam ser revistos.

Já a doença, nos diz que essas atitudes e/ou comportamentos viraram padrões auto destrutivos.

Mais do que um incômodo a ser remediado, toda dor ou doença, nos diz que precisamos de mudança. Uma mudança de comportamento.


Por exemplo, digamos que eu tenha muito peso e dor nos ombros. Metafisicamente, entendo que estou me sobrecarregando mental e emocionalmente com muito mais do que aquilo que posso lidar. Quais mudanças seriam necessárias para que eu resolvesse esse incômodo, além da pilulazinha?

- Reconhecer meus limites e capacidades, e diante disso;

- Delegar;

- Observar se o peso que carrego é meu, ou se também estou carregando pesos de outros;

- Caso esteja carregando de outros, devolvo aquilo que não é meu;

- Se, eu não quiser/conseguir devolver, tenho que ver porque me sinto apegada ao peso dos outros. Quero ser reconhecida por isso? Acho que as pessoas só me dão valor se eu fizer mais por elas, do que por mim? Acredito que não são capazes de lidar com a própria dor, por isso, as pego para mim? E por aí vai.... Você terá que abrir mão desse vício;

- Auto cobrança em excesso: eu tenho uma mente rígida onde me cobro o tempo todo? Não me dou descanso, não me permito errar?


Nós somos seres sinérgicos, quando não temos cuidado e atenção, acumulamos coisas das pessoas a nossa volta, dos ambientes, rádios, tv's e tudo que tem interação conosco. Mas isso é culpa do meio ou das pessoas? Não. Cada um de nós tem um corpo e um sistema imunológico, exatamente para que cada um dê conta de si.


Veja bem você, enumerei alguns poucos itens que normalmente são causas mentais e emocionais de um simples peso nos ombros. É um trabalho, não é?


Agora imagina o quanto você joga para debaixo dos panos, quando se entope de relaxante muscular para não lidar com essas questões? Agora preveja essa dor ao longo de anos de rejeição e entorpecimento. Todo esse processo mental-emocional vai se entrelaçando com outros, criando casos cada vez mais dolorosos e complicados de se resolver.


Estou dizendo para não tomar remédios? NÃO. Estou dizendo que há um mundo de sensações e percepções pessoais que você precisa explorar para além do comprimido.


Tome seu remédio, mas comece um trabalho de sentir o corpo que você tem. Toque-se, respire, sinta as sensações para aprender a conhecê-las. Não importa a forma, tamanho, gênero ou cor. Seu corpo é sua ferramenta de evolução para uma vida feliz e sem dor.


O melhor remédio que existe é a Consciência Corporal.


Ame-se. Cuide-se.

Monik Ornellas

Terapeuta corporal há 21 anos, Aromaterapeuta e Facilitadora de EFT

Ama o que faz e acredita que o autoconhecimento é a cura de todos os males.